.
.
.
[dorian gray c'est moi]


O espelho envelheceu
Ou fui eu?
Não me atrevo a olhar.
Eu desejo amar – nem que seja Perseu.
A Medusa sou eu.
.
.
.
.
.
.
[este sou eu]


um pássaro
sem penas
sem voo

e ainda assim
sem galho
sem pouso

um pássro
sem bico
sem canto

um pásro
quase sem pássaro
quase sem letras sem fonemas sem pronúncia
.
.
.
.
.
.
[para descer]


degrau
     degrau
          degrau
               degrau
                    degrau
                         uarged
                    uarged
               uarged
          uarged
     uarged
uarged
     degrau
          degrau
               degrau
                    degrau
                         degrau
                              uarged
                         uarged
                    uarged
               uarged
          uarged
     uarged
degrau
     degrau
          degrau
               degrau
                    degrau
                         uarged
                    uarged
               uarged
          uarged
     uarged
uarged
     degrau
          degrau
               degrau
                    degrau
                         degrau
.
.
.
.
.
.
[andorinhas]


onde estão vocês?
há tantos insetos decolados

alimentem-se
.
.
.
.
.
.
[bolor]


jamais acreditei
que nas paredes do oco
pudesse haver mofo

jamais acreditei
que nos vácuos do meu ser
você pudesse novamente crescer
.
.
.
.
.
.
[pelos internos]


É frio. Nascem pelos nas paredes
de meu apartamento – não como se formassem uma pelugem;
eles surgem encravados.
.
.
.
.
.
.
[paixão]



aquele paixão virou fuligem
aquele paixão virou fuligem
aquele paio virou fuligem
aquele paixão virou fuligem
aquele paixão virou fuligem
aquele paixão virou fuligem
aquele paixão virou fuligem
.
.
.
.
.
.
[um toque apenas]


preso
em uma bolha de sabão
meu verdadeiro eu
eternamente
espera
a explosão
.
.
.
.
.
.
[determinação]


no muro da prisão
eu escrevi a palavra porta

e vou repeti-la
até abri-la
.
.
.
.
.
.
[o silêncio e as aranhas]


O meu apartamento está impregnado de silêncio e de pequenas aranhas.
As teias são uma fibra proteica que me alimenta e me paralisa.
As teias do silêncio, digo.
.
.
.
.
.
.
[aquele adeus]


quando você fechou a porta
pareceu um mergulho no cosmos

e naquele vácuo
juntaram-se nenúfares
como se formassem
uma mandala
um torvelinho
um portal
um ninho.
.

.
.
.
[a reforma]


o barulho ao lado
não é o barulho ao lado

sou eu
sou eu este vizinho
quebrando tudo
.
.
.
.
.
.
[the unflapping wings]


Trying to figure out the love I still have for you, D.


It might be the engine of a vehicle which has been turned off
Still throbbing

Or the worn-out masquerade mask dropped in the gutter
Still shining

Perhaps it is the aftersound of a bee which has landed on a flower
An aftersound mingling with pollen and nectar






.
.
.
[eu invento]


Eu invento que amo
e invento quem amo.

Quem amo
acha que amo sem invenção.

Eu também acho.
Ou não?
.
.
.
.
.
.
[solidão]


eu tenho uma filha com quase seis anos de idade
ela já sabe escrever seu nome completo
perdeu um dente de leite
dramatiza tudo
.
.
.
.
.
.
[ecos do passado/reflexão]


tua voz passeia líquida em meu labirinto
voz luminífera mas que tira meu equilíbrio                                     e
pois perde-se   e t e r             a         m                n            t
em ondas                      n                          e                
tantas ondas
ondas que nenhum minotauro
                  é capaz de extinguir
.
.
.
.
.
.
[equinócio de setembro, 2016]


quando ouvi a palavra primavera
o que visualizei foi unicamente a imagem da palavra primavera
ela parecia um letreiro inóspito

não havia reflorescimento
nem perfume
nem clima ameno
na palavra primavera

era um equinócio de setembro
desprovido de gérberas lírios rosas jasmins bromélias
.
.
.
.
.
.
.
.
[agora tudo é mar]


era um córrego tão calmo, tão delicado
massageava rochas e dormia folhas

até que relevo abaixo
encontrou outro córrego e juntou-se a ele:
perdeu a identidade

sofreu tanto
.
.
.        
.
.
.
[instagram]



Ó Jarro de Pandora da mitologia digital
Tu trazes os mesmos males do outro
A mesma esperança
O mesmo futuro sélfico
    voraz vazio
Perdoa nossas dedadas
    em tua caixa
.
.
.
.
.
.
[rouco]


o amor que tive por você
foi um grito

houve relâmpagos, e vozes, e trovões, e terremotos
neste grito

ele me fez louco
e rouco


.
.
.
.
.
.
[eu vejo você]


eu vejo você do outro lado da ponte
mas não há ponte

se não há ponte
como sei sobre a ponte?

porque houve uma ponte?
quem a destruiu?

qual de nós a atravessou?
qual a direção certa?
.
.
.
.
.
.
[amanhecer]


Deus
Você é a luz que entra em meu quarto
pela fresta da cortina malfechada

Deus
Eu só consigo vê-lo porque fui desleixado
ao fechar a cortina ontem à noite

Deus
Eu queria dormir mais um pouco
mas o quarto está muito claro
.
.
.
.
.
[flerte]


uma casa observa a rua
que se insinua
.
.
.
.
.
.
[saudade]


sol que brilha sem halo
.
.
.
.
.
.
[sobre temas poéticos]


não quero mais falar
eu
não quero mais falar
você
não quero mais falar
carcaça

quero falar
praça
quero falar 
árvore
quero falar
pássaro
quero falar
córrego
quero falar
mundaréu




.
.
.
.
.
.
[leminski]


kabuki
da língua portugueixa
.
.
.
.
.
.
[parafraseando drummond]


no meio do caminho tinha uma fedra
tinha uma fedra no meio do caminho
tinha uma fedra

nunca me esquecerei deste acontecimento -
a fedra era eu
hipólito era eu
e também teseu
.
.
.
.
.
.
[it's complicated]


alt+73
alt+3
alt+85
.
.
.
.
.
.
[eiva]


Estou em um cômodo repleto de janelas abertas, é dia ensolarado.
Ao fundo, apenas, há uma fechada. Vou a ela, sou curioso,
quero abri-la, mas hesito. Inquieta-me a possibilidade de haver
depois dela a Medusa, a Pandora ou o Passado: três sinas equivalentes.
Sei que no inverno esta janela foi cerrada e que não devo tocá-la:
porém ela me invoca, inebriante.
.
.
.
.
.
.
[periferia da psique]


lidar com rei
na barriga
é fácil

quero ver
é destronar
sombras
.
.
.
.
.
.
[to a lover gone]


I still love you
but I don't care about you anymore

It's like enjoying the scent of a flower
but denying the flower itself
.
.
.
.
.
.
[lição]


eu estou vivo
repito
eu estou vivo

eu não acredito
repito
eu estou vivo

como posso estar vivo
repito
eu estou vivo

repito
eu estou vivo
apenas porque
repito


.
.
.
.
.
.
[sobre o nosso adeus]


você talvez não saiba que
quando você fechou a porta
eu fiquei a contemplá-la
por um longo momento

pois aquela porta fechada
não parecia ter sido fechada
ela estava aberta e permanece aberta
mas talvez você não saiba
.
.
.
.
.
.
[to the reflection in the mirror]


I believed my dreams were
Ier than myself.

But you are 
the Iest!
.
.
.
.
.
.
[atenção]


Dormem aqui os que sentiram o coração pesar como chumbo.
E deste chumbo criaram projéteis para se machucarem.
Tais românticos estão convalescentes, favor manter silêncio.
.
.
.
.
.
.
[hoje percebi a razão de meu amor excalibur]


O sonífero perdeu o efeito.
Eu lia Jóquei e Campilho dizia na página 45
"Tudo se refaz
menos os nomes".
Foi quando lembrei ter gravado
os nossos em um penhasco de Tintagel em 2001.
Tudo se desfaz
menos as pedras arturianas.
.
.
.
.
.
.
[para d.]


em todas as minhas dobras
encontro um d
em todos os meus nervos
encontro um n
em todas as minhas artérias
encontro um a

em toda anatomia
encontro letras perdidas
de seu nome
.
.
.
.
.
.
[eu não]


eu não lembro de você
eu não lembro de você
eu não lembro de você
eu não lembro de você
eu não lembro de você
.
.
.
.
.
.
[dói]


Dói não te amar mais.
São cachoeiras que caem, porém secas.
.
.
.
.
.
.
[duvido]


duvido
que lhe enfiem o dedo
como eu enfiava

pois com meu dedo
ia a palavra

e era na palavra
rija viscosa nervosa
que você gozava
.
.
.
.
.
.
[bugbear]


meu tecol.ado
est-´~a bugado

ou -´~e
meu corapç;ão?
.
.
.
.
.
.
.
.
[sua ausência]


sua ausência desleixada
jardim sem podas
silêncio no escuro
nenhum zunido na flor invisível
apenas o perfume espectral
persistente
.
.
.
.
.
[trapézio sem rede]



                             na   palavra
                                     .           .
                                      .           .
                                       .           .
                                        .           .
                             me       balanço
.
.
.

.
.
.
[seu abraço]


seu abraço reuniu
os fragmentos
de meu coração

lá dentro eles
se deram as mãos
.
.
.
.
.
.
[em maiakóvski]


eu vou brilhar sempre
ainda que sol
zinho
.
.
.
.
.
.
[desde quando nos separamos eu não
tinha conseguido esta proeza sozinho]


amor obrigado por se tornar feio quando
sabes que priorizo a estética obrigado mesmo
por usar estes óculos e ser agora intelectual
quando sabes que sou avesso à academia amor
obrigado mais uma vez por me dar a chance
de te esquecer
.
.
.
.
.
.
[σημεῖον]


amor,

aparência interna

beijo,

com que te vejo


.
.
.
.
.
.
[contingente]


as flores destive
ainda na primavera -

nos canteiros secos
uma lagartixa descerra o sol


.
.
.
.
.
.
[dúvida]


corpo
você
de fato
existe?

ou é
da alma
mero
chiste?
.
.
.
.
.
.
.
.
[a gaivota]


a gaivota plana
e projeta um mergulho
que de tão rápido
não sei ter sido no mar
ou em mim

sei apenas
que em seu bico
leva um grito
.
.